quarta-feira, 1 de julho de 2009

Pobre reserva 32% da renda para impostos enquanto rico gasta 22%, aponta Ipea

O valor total dos impostos, taxas e contribuições pagos pelos brasileiros aumentou no ano passado e o maior peso continua sobre a parcela mais pobre da população, aponta estudo do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) divulgado nesta terça-feira.

Os 10% mais pobres da população brasileira destinam 32,8% da renda para pagar tributos. Já os 10% mais ricos destinam 22,7% dela, revelam os dados. O levantamento observa ainda que as famílias com renda de até dois salários-mínimos pagam 48,8% da renda em tributos; aquelas com renda acima de 30, empenham cerca de 26,3% da renda. Dividida ao longo do ano, o peso dos impostos equivale a, em média, a 132 dias trabalhados no ano passado.

Traduzindo as porcentagens em dias de trabalho, pode-se concluir que, dos cidadãos mais pobres, foram exigidos 197 dias para arcar com os tributos. Dos mais ricos, 106 dias, três meses a menos. O Ipea condena essa regressividade. "O sistema tributário deve buscar a progressividade - tributar mais os ricos do que os pobres", afirma a equipe de analistas.

Carga tributária mais pesada

Usando como base dados do IBGE e da Secretaria do Tesouro Nacional, a estimativa do Ipea para a carga tributária em 2008 é de 36,2% do PIB (produto interno bruto, soma de todas as riquezas produzidas pelo país). Cinco anos antes, em 2004, a parcela era de 32,8%, um aumento de 3,4 pontos percentuais, ou cerca de 10% no período.


Fonte:http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u588559.shtml
Acadêmica: Fabiane Giaretton

Um comentário:

  1. Franciele Sachet2 de julho de 2009 10:54

    Então, quanto mais rico menos imposto e quanto mais pobre mais impostos! O cidadão trabalha como loco para ter um pouquinho, e acaba compribuindo para o país mais que um milhionario? " Céuus ", como é injusto isso!

    ResponderExcluir